segunda-feira, 19 de setembro de 2011

MONTEIRO LOBATO


Monteiro Lobato

Conto-lhes um pequeno conto, como quem rápido coloca um ponto... Era uma vez no reino de Taubaté, onde havia um moço, de sobrancelhas juntas, chamado José Bento MONTEIRO LOBATO (foto) (1882/1948), brasileiro, foi promotor, adido comercial, conferencista, editor, tradutor, escritor, desenhista e fazendeiro. Casou-se e teve quatro filhos. Tendo crescido numa fazenda, entre muitas e muitas obras, criou o “Sítio do Picapau Amarelo”, obra da literatura para crianças de até 100 anos; com personagens do inusitado mundo da fantasia, onde faz de conta que o pó de pir lim pim pim nos leva até lá e tudo pode acontecer. Tem a Emília (a boneca falante de pano), Narizinho (a menina do nariz arrebitado), Pedrinho (o destemido, medo de onça? nem tem), Marquês de Rabicó (o porco comilão e esganado), Conselheiro (o burro poeta e romântico), Quindim (um doce de rinoceronte), Visconde de Sabugosa (o sábio feito de um sabugo de milho), Tia Nastácia (a fazedora de quitutes), Tio Barnabé (o preto-velho pensador), Cuca (a bruxa feroz), Saci (o pulador de uma perna só) etc; que passam boa parte do tempo fazendo estripulices e traquinagens no Sítio do Picapau Amarelo, pertencente à Dona Benta (a mais feliz das vovós)... Pronto, rápido contei um conto... Ponto!

Sobre o assunto, leia também a postagem, de:
03.08.2011, Sítio do Picapau Amarelo na Espanha
13.04.2011, Depoimento de um PAI, giov. d'and.


.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Nossa Senhora da Penha

Nossa Senhora da Penha, 120x80cm
Acervo do Museu de Arte Sacra do Santuário da Penha


Breve Histórico: Cerca de 1635, o Capitão  Baltazar Cardoso subindo o penhasco (grande pedra) foi atacado por uma enorme serpente, devoto de Nossa Senhora rogou... Foi quando um lagarto avançou sobre a serpente. Baltazar fuigu e após, agradecido, construiu uma capela onde colocou uma imagem da santa. Muitas pessoas passaram a ir ao penhasco (Penha) e, em geral, diziam: vamos visitar Nossa Senhora da Penha. Este hábito de linguagem "batizou" a imagem com este nome. Querendo agradecer ainda mais, o Capitão doou todas as suas propriedades e, posteriormente, para administrar estes recursos foi criada a Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Penha, em 1728, quando foi construída uma capela maior. Ampliando, muitas vezes ao longo dos anos, culminou, em 1981, com a elevação do Santuário de Nossa Senhora da Penha à categoria de Santurário Mariano Arquidiocesano.


Rio de Janeiro Photográfico 050 Visão do Santuário da Penha



.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

earth song: PAZ...

assista o filme
em cartaz nos melhores cinemas dentro de sua casa...




Este MANIFESTO PELA PAZ com Pablo Picasso, Michael Jackson e Bernardo Vincenzo D'And. (o kid da petequinha...) no elenco é composto de desenho (sem tirar o lápis do papel, a partir de dois pontos), hai-kai escrito de trás para frente, ao som de Cenas da Floresta (Robert Schumann), Oh Happy Day (gospel), Imagine (John Lennon) e Earth Song...

Com a criação da destruição,
Na destruição da criação;
E a criação da reconstrução?

No clipe, para os defensores da forma do hai-kai, composto de 5, 7, 5 sílabas (contadas até a última sílaba tônica), rimando o 1º verso com o 3º, com uma rima interna da 2ª sílaba com a 7ª do 2º verso, escrever-se-ia, com haiga (desenho) do beija-flor nas 3 flores:

Todo ser pensante,
Assaz, dance o som da paz,
Fale, grite, cante...

Aliás, eu acho uma bobeira esse negócio de forma... para qualquer assunto vale a essência... e a palavra movimentada em qualquer setor, na direção da paz, mesmo em casa ou no trabalho, como está sendo empregada ??? os políticos, em geral, falam coisas tão "poéticas" antes das campanhas... eu acho que essa busca pela paz como diz o Chiquinho, em Assis, no filme "Irmaum do Çól e irman Lüa", delve sê açin comsirdeurrada:
"...palavras, palavras, houve um tempo em que acreditei nelas..."

"Pacifiquemos nossa área individual para que a área dos outros se pacifique.
Todos anelamos a paz do mundo; no entanto, é imperioso não esquecer que a paz do
mundo parte de nós." (do outro Chico, Xavier...)
.