terça-feira, 29 de outubro de 2013

MÚSICA: Bourrée, Handel

Após comemorar meus oito (00000008) meses de violino, num treino diário de 20 a 30 minutos, 3 a 4 vezes por semana (ver postagem de 13.07.2013), guardei o violino e, posteriormente, toquei, dia 20.10.2013, na casa da Dona Senhora Menina M.I., em Barra do Piraí, onde tudo começou, por uns 15 minutos, depois guardei e """""toquei""""" piano, pela sexta vez, mas (in) felizmente, para felicidade geral da Nação, digo ao povo que não gravei...

Lá, reparei que o dó central, pelo menos neste piano em que gravei a opus 1 e 2, não fica exatamente em frente ao buraco da fechadura, mas umas duas notas para a esquerda, não sei os outros pianos. Em suma, achei que conhecesse pelo menos uma nota do piano, quando toquei, mas infelizmente não conhecia nenhuma.


Voltando à vaca fria, quero dizer, ao violino, após o referido dia voltei a tocar seriamente, com dedicação e afinco, pois, como dizem, variando o percentual, a inspiração representa 5% e a transpiração 95%, por isto também toquei ontem uns 25 minutos e hoje, 29.10.2013, mais uns 15 minutos, antes de gravar o:


Bom, para aqueles que acham que a música surgiu de uma maneira mediúnica na minha vida, volto a afirmar que não. Antes de eu começar a tocar violino, que aprendi em um dia, através dos desenhos das notas que fiz, a partir de breve pesquisa on line (sendo que isto aconteceu na casa de uma professora de violino e dona do piano acima referido, que muito me incentivou no momento, tendo inclusive se oferecido para me dar aulas gratuitamente, apesar de ter parado de dar aulas, que infelizmente não pude aceitar), bem como, antes de brincar no piano, sem saber ler partitura; Sai Baba já havia se antecipado dizendo que me daria a "música" de presente, de volta, após eu sair deste caminho, por cerca de um século.

Falando menos sério agora, embora digam que a TVlisão engorda a gente, reparem que no vídeo, que tem momento em que estou barrigudo e outros não. Acho que nessas horas em que estou barrigudim, devo estar incorporado... Aqui sim, acho que essa paradinha é mediúnica...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O monólogo do artista passa a estabelecer diálogo com o público quando sua arte é comentada...