terça-feira, 23 de setembro de 2014

Terceiro Encontro com Sai Baba

537 -TERCEIRO ENCONTRO: Em 13.09.2014, após descobrir que Sai Baba J (469) era uma das três materializações (466) de Sai Baba. Neste dia acordei e tomei banho e voltei a me deitar, pois não estava muito bem do estômago. Pensei em ir ao encontro, mas não estava muito bem. Acordei pela segunda vez às 11:25 minutos com o toque do telefone e uma voz totalmente diferente das três formas. Perguntei quem era e Ele me respondeu que era J e que queria saber se eu iria ao nosso encontro. Ainda confuso com esta voz, disse que sim e que havia estranhado Sua voz. Ele disse naturalmente que estava um pouco rouco, mas durante todo o encontro não havia nada diferente em Sua voz.

538 - NA MESA: Perto do local combinado encontrei um conhecido Dele que disse para mim que Ele havia pedido para me avisar que Ele estaria em determinado bar me aguardando. Lá chegando O vi já na mesa rindo e me convidando para almoçar, pois já havia pedido yakisoba de camarão. Ele foi logo dizendo que eu estava com uma voz diferente e que já havia ligado outras duas vezes e que uma criança havia atendido e que Ele não havia entendido, então ligou um pedaço de número com outro pedaço e que não conseguia falar comigo... E rapidamente continuou falando o que considerei ininteligível e propositadamente para me confundir. Recordo-me de ter dito que no meu telefone somente havia aparecido uma ligação, a que eu atendi.

539 - MIOJO: Referindo-se ao yakisoba como miojo, falou exatamente como já pensei em situação que cozinhei miojo por preguiça ao invés de fazer comida. Ele disse: "Olha só, estou comendo miojo, mas estou feliz, tanta gente por aí agora, em situações de muito mais conforto do que eu que não está feliz assim". J Sai Baba (469) realmente me conhece.

540 – PADARIA: Antes destes três últimos encontros, quando eu não sabia que era Sai Baba, materializado em três formas diferentes, eu já havia ido tomar café na padaria com J (469) apesar da possibilidade Dele ser ladrão, o que para mim foi motivo de felicidade, ver 88.

541 - TELEFONE: Sai Baba J (469), no meio da conversa, tirou um papel amassado do bolso mostrando os números que eu havia escrito em um guardanapo no encontro anterior. Tenho dois telefones de nove números, mas quando vi o papel constatei que eu havia escrito um com nove e o outro com apenas cinco números. Não sou perfeito, posso errar e me distrair como todo mundo, mas pelo hábito da escrita diária, mesmo sem ter certeza, é muito mais fácil acreditar que Sai Baba apagou quatro números do que eu somente tenha escrito cinco ao invés de nove. Disse-me que por isto Ele havia ligado pedaço de um número com pedaço de outro para ver se conseguia falar comigo. Eu fiquei na dúvida entre rir e ficar confuso. Em casa pensei se Ele tinha um celular ou se me ligou diretamente. Com naturalidade tirou o celular do bolso (igual ao meu velho e simples que falo que nunca dá problemas, diferente do outro novo e requintado), e ligou na hora dizendo que era para o meu número, mas vi e falei com Ele que não era o meu número.

542 - CONSTATAÇÃO: Embora eu tivesse a certeza de ter visto que havia recebido apenas uma ligação de Sai Baba J (469), a ponto de dizer isto a Ele, que disse que além da vez que conseguiu falar comigo, havia tentado outras duas vezes (que foi atendido por uma criança); constatei posteriormente, em casa, que eu havia recebido outras duas ligações do mesmo número, uma às 09:44 e outra às 09:54 minutos (ambas antes da ligação em que falei com Ele). Entendi que era uma brincadeira e que a criança era eu mesmo.

543 - SÓSIA: Em junho de 2012, tive um sonho que relatei no capítulo XVIII, do "Meu Diário com Sai Baba", em que Ele, além de mudar fisicamente o rosto, materializava-se como sósia de uma pessoa viva e realizava determinados trabalhos em que esta estava impossibilitada. Em 13.09.2014, durante o almoço veio um conhecido Dele, que fui apresentado, extremamente irritado por situação particular, conversou por alguns minutos e saiu ainda nervoso. Passou alguns minutos, ele retornou inversamente calmo, foi ao banheiro e parou novamente para conversar um assunto que não caberia em uma conversa normal, mas que foi parte da resposta de algo que J (469) falou antes de eu saber que era Sai Baba, fiquei na dúvida e sonhei com o assunto. Depois deste retorno, novamente Sai Baba entrou neste assunto me esclarecendo de vez. Não fosse este assunto que não condiz com uma conversa razoável e eu nunca descobriria que esta segunda pessoa que retornou, na verdade era o próprio Sai Baba que havia, em corpo físico, se materializado como sósia deste conhecido Dele. Também me chamou a atenção o fato dele andar meio curvado, diferente do primeiro. Claro que Ele deixou pistas propositadamente. Posteriormente, em Voz, Baba me confirmou que era Ele mesmo e que fez isto para me mostrar como isto pode acontecer. Neste momento estive na presença de Sai Baba materializado em duas formas: J e um sósia deste conhecido Dele; não encontrei I nem V.

544 - SANTINHO: Na mesa, mostrei para Sai Baba J 469) que tinha uma foto Dele na carteira. Ele pegou e disse algo sobre o ambiente da imagem (uma cadeira grande de madeira branca) que não me recordo das palavras, mas considerei absurdo (exatamente neste termo, absurdo). Depois, rindo me perguntou se era de meu filho. Eu ri e disse que era de meu pai. Ele tornou a rir. Somente em casa fiz a associação: Lembrei-me de um amigo, que disse várias coisas, que não me recordando de nenhuma palavra, apenas memorizei que considerei um absurdo, sendo que, sem imagem nenhuma de Baba, pareceu estar falando exatamente desta foto (que confirmei posteriormente que era desta que ele havia falado). E, também, que no dia anterior após falar com uma amiga sobre Sua tríplice reencarnação (frase 105), ela disse brincando que Baba iria renascer como meu filho. Antes de achar engraçado, tomei um susto. Ele registrou que ouviu. Também registrou que estava com o cabelo grande e ia cortar, exatamente meu pensamento na noite anterior.

545 - JOELHO: Repetidamente (524) a Forma J (469) de Sai Baba esfregava um dos joelhos, senti que tivesse algo a ver comigo, mas decididamente não entendi, então Ele parou com este gesto. Já em casa, ajoelhei-me para tirar foto mais perto de um quadro e exatamente como já havia acontecido alguns anos atrás, por algum tempo, doeu bastante, aparentemente sendo uma veia (ou nervo) que esbarra no chão e parece um pequeno choque, seguido de dor. Voltou ao normal, tendo acontecido apenas o tempo suficiente para eu me recordar. A maioria das pessoas enfatizam o poder de cura de Swami, mas Ele tem igual poder de dar a doença, quando Seu amor considera necessário.

546 - CASAMENTO: Conversando com J Sai Baba (469) sobre este assunto, Ele comentou sobre as várias culturas, cada uma com sua peculiaridade a respeito da diversidade neste sentido, casamento entre duas ou mais pessoas etc. Eu toquei no assunto infidelidade conjugal, Ele riu e, sem aprovar ou desaprovar, disse: "Hum, se descobre..." Eu ri e perguntei sobre estes matrimônios entre mais de duas pessoas (que em determinados países serão tidos na conta de infidelidade), e falei da bíblia, embora eu não lembrasse de nenhuma passagem neste sentido. Na hora Ele fez uma expressão de que havia sido pego de surpresa e que não tinha uma resposta para me dar. Claro que eu percebi que era um teatro facial, porém fiquei sem a resposta Dele, mas ri da brincadeira. Já em casa, pensando que cada um responde pelo seu grau evolutivo e consequentemente sobre seus atos, independente do que convenciona as leis humanas, Sai Baba, em voz, disse-me: "Se você já sabia a resposta, por que perguntou?" Sorri novamente.

547 - INEXPLICÁVEL: Tentando identificar com qual cordão de ouro J (469) Sai Baba estava, olhei detidamente para um lado de Seu pescoço, pois aparecia um pequeno detalhe deste, dentro da camisa. Mal deu tempo de eu piscar os olhos e foi impossível deixar de notar que do outro lado do pescoço havia entre 10 e 20 centímetros do cordão, do lado de fora da camisa. Pelo tamanho e cor era impossível eu não ter visto anteriormente ao fato de eu tentar ver do lado que estava escondido.

548 - DESMATERIALIZAÇÃO: Após caminharmos três quarteirões, quando eu virei para o lado e voltei o olhar para Ele, não O vi mais. Procurei em vão. Em Voz, disse que eu não O acharia (como J), porque Ele estava em todo lugar ao mesmo tempo. Entrei no banheiro de um restaurante para me recompor emocionalmente. Voltei ao local onde estávamos e lá estava Ele, bem depois deste ponto já voltando em minha direção. Ou seja, percorreu os três quarteirões e mais um pouco até eu avistá-Lo, em um espaço de tempo que um atleta corredor comum não conseguiria, por ser humanamente impossível. Chegando ao meu encontro, novamente me chamou de Mister M, dizendo que eu havia desaparecido. Tive um acesso de tosse e gargalhadas.

549 - TOSSE: Durante cerca de duas horas, tempo do encontro com Sai Baba J (469) fiquei tossindo, sendo que nem antes nem depois deste encontro eu estava com tosse, bem como não estava em dias anteriores. Quando O reencontrei após sua desmaterialização, além de rir alto com suas brincadeiras, tive um acesso forte de tosse. Como já li, diante Dele, tudo pode acontecer, não necessariamente bom, aos olhos comuns.

550 - REINO: Apesar de saber que Jesus não mentiu ou se enganou quando disse "Meu reino não é deste mundo", mostrando que a felicidade não era na Terra e sim na vida espiritual ou outros mundos habitados; com a presença "física" de Sai Baba, diferente de outros momentos de minha vida em que realmente considerei que o planeta não comportava tanta felicidade, se eu não tomar cuidado vou acabar achando que o reino de felicidade é principalmente neste mundo, aqui e agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O monólogo do artista passa a estabelecer diálogo com o público quando sua arte é comentada...