PIERO

De Giov. para Papa Francisco


Tal um presente de núpcias, comumente entregue antes do enlace matrimonial, Giov. já enviou a obra, abaixo retratada, para a casa do "noivo", Sua Santidade o Papa Francisco, antes do casamento, que na verdade já é antigo, com a "noiva", a Nação Brasileira.
Giov. sempre nos braços e abraços da noiva, ficou triste de não poder abraçar o noivo.
Giov. psiquicamente nos braços mentais e fraternos do noivo, ficou feliz de não poder abraçá-lo, dado a preocupação com as costelas deste.

Interferenze in Piero della Francesca XV – Episódios da Vida de Cristo, 59x49cm, mista sobre tela, 2009.
Episódios da Vida de Cristo:

1. Annunciazione.
2. Madonna del Parto.
3. Natività.
4. Madonna col Bambino.
5. Il Battesimo di Cristo.
6. La Flagellazione di Cristo.
7. La Crocifissione.
8. La Resurrezione di Cristo.

Aproveito o ensejo, para convidar a todos, inclusive, da “Jornada Mundial da Juventude”, para, somente após, o consequente equilíbrio das forças psíquicas e emocionais, com o restauro da fé viva, no Cristo Jesus, advinda do encontro papal, o reequilíbrio com a natureza, nos ares do Forte do Leme, onde está sendo realizada a exposição “A História do Brasil Contada por suas Bandeiras”.

segunda-feira, 20 de maio de 2013


Pala di Brera, Piero della Francesca

Numa agradável noite entre amigos, conversando e assistindo a um filme, para aproveitar um pouquinho mais o tempo, realizei vinte e poucos esboços da figura central, a Madonna col Bambino, da Pala di Brera, de Piero della Francesca, culminando com este, desenhado a partir da escrita.


Para saber mais sobre a Pala di Brera, CLIQUE AQUI.


Na verdade, esses não são estudos, mas a verdadeira e efetiva necessidade de expressar o que me atormenta e me engrandece! gIOV. d'aND.

domingo, 24 de abril de 2011


Piero della Francesca

Prospettiva di Citt'a Ideale, MsT, 50x100cm

Representante do Quattrocento italiano, entre 1410 a 1420, nasce Piero em Borgo San Sepolcro, Toscana. Em 1439 vai para Florença trabalhar no atelier do pintor Domenico Veneziano. Torna-se conselheiro municipal em sua cidade de origem, em 1442. Em 1445 recebe a encomenda de um retábulo pela Confraria da Misericórdia de Borgo San Sepolcro. Pouco mais tarde viaja a trabalho por Ferrara e Urbino. Em 1452, aceita seu principal trabalho: pintar os afrescos da igreja de San Francesco, em Arezzo. Em 1454 surge a decoração de outra igreja, dos Irmãos de Santo Agostinho, em sua cidade natal. Em 1459 vai a Roma a serviço do Papa Pio II, após, volta a Arezzo para terminar os afrescos de San Francesco. Hospeda-se, em 1469, na casa de Giovanni, pai de Rafaello Sanzio. Em 1480 chefia a Confraria de São Bartolomeu. Morre em Borgo San Sepolcro, em 12 de outubro de 1492.

A genialidade matemática de Piero não tardou dar mostras também como teórico da arte, na elaboração de “Trattato de ábaco”, manual de aritmética com problemas de álgebra e geometria. Já “De prospectiva pingendi”, em latim, esmiúça as leis de perspectiva, e, “De quinque corporibus regolaribus” trata dos corpos sólidos regulares.

Nos afrescos de San Francesco, della Francesca, executa o Ciclo da Santa Cruz, que tem seu início nas vésperas da morte de Adão, onde seu filho Seth obtém de um anjo um ramo do qual escorrerá o óleo da salvação, mas somente após cinco mil e quinhentos anos. Como Adão morre, sem a salvação, Seth planta o ramo sobre sua tumba, e da árvore nascida Salomão tenta, inutilmente, construir um templo, então, o tronco é levado para o rio Siloé para servir de ponte. De passagem, a rainha de Sabá tem uma premonição e se ajoelha para venerá-lo, quando diz a Salomão que do lenho virá o fim do reino dos hebreus. Salomão enterra o madeiro na esperança de mudar o curso do destino. Mas, vindo à tona, é empregado na construção da cruz, na qual Jesus foi crucificado.

Trezentos anos depois, na batalha contra Maxêncio, Constantino sonha com um anjo que o exorta a combater sob o signo da cruz. Constantino vence e torna-se imperador de Roma; depois se converte e envia a Jerusalém sua mãe, a imperatriz Helena, para buscar o lenho da verdadeira cruz. Somente o hebreu Judas sabe onde este se encontra. Não querendo falar, Helena o joga num poço, e, retirado após sete dias, ele revela que a cruz está enterrada sob o templo de Vênus. Helena destrói o templo e aparecem as três cruzes do Calvário. Para se reconhecer a verdadeira, elas são levadas até um jovem morto, que com o toque na de Jesus o jovem ressuscita. Então, Helena a reconduz até Jerusalém.

Após mais trezentos anos a cruz é roubada pelo rei persa Cosroés, que a põe num altar para adorá-la. Heráclito, imperador do Oriente, guerreia contra Cosroés, decapitando-o; retorna a Jerusalém e se defronta com as portas da cidade fechadas. Exortado por um anjo, imita a humilde entrada de Cristo em Jerusalém, e, as portas se abrem. A cruz é, finalmente, devolvida ao Santo Sepulcro.

Madonna di Senigallia 2º Piero della Francesca, 80x64cm

Representative of the italian Quattrocento, between 1410 to 1420, Piero was born in Borgo San Sepolcro, Toscana. In 1439 goes to Florence to work in the studio of the painter Domenico Veneziano. He becomes a municipal councilor in his hometown, in 1442. In 1445 receives the order of an altar piece by the Confraternity of Mercy of Borgo San Sepolcro. A little later travels to work for Ferrara and Urbino. In 1452, accepts his principal job: to paint the frescoes in the church of San Francesco, in Arezzo. In 1454 comes the decoration of another church, the Brothers of St. Augustine, in his hometown. In 1459 goes to Rome in the service of Pope Pius II, after, he comes back to Arezzo to complete the frescoes of San Francesco. Hosts, in 1469, the house of Giovanni, the father of Raffaello Sanzio. In 1480 heads the Brotherhood of St. Bartholomew. He died in Borgo San Sepolcro, on October 12,1492.

The mathematical genius of Piero was quick to show him like an art theorist also, in developing “Trattato de ábaco”, arithimetic manual with problems of algebra and geometry. Since “De Prospectiva pingendi”, in Latin, scrutinizes the laws of perspective, and “De quinque corporibus regolaribus” deals with the regular solids.

In the frescoes of San Francesco, della Francesca, performs the cycle of the Holy Cross, which has its beginning on the eve of Adam’s death, where his son Seth gets from an angel one branch of which drops the oil of salvation, but only after five thousand hundred years. As Adam dies, without salvation, Seth plants the branch on his grave, and from the tree Solomon tries, unsuccessfully, to build a temple, then, the trunk is taken to Siloam river as a bridge. By passing, the Queen of Sheba has a premonition and knells down to worship it, when she says Solomon that from wood will come the end of the Hebrews’ reign, Solomon buries the tree in hope of changing the course of destiny. But coming up, is used in the construction of the cross on which Jesus was crucified.

Three hundred years later, in the battle against Maxentius, Constantine dreams of an angel who exhorts him to fight under the sign of the cross. Constantine wins and becomes emperor of Rome; then is converted and sends his mother to Jerusalem, Empress Helena, to take the wood of the true cross. Only the hebrew Judas knows where it is. Not wanting to talk, Helena throws him into a well and he is removed after seven days, he reveals that the cross is buried under the temple of Venus. Helena destroys the temple and the three crosses of Calvary appear. To recognize the true one, they are led to a dead young man, that touches the cross of Jesus and lives. Then, Helena reconducts it to Jerusalem.

After more three hundred years the cross is stolen by the persian king Chosroes, who puts it on an altar to worship it. Heraclitus, Emperor of the East, wars against Chosroes, decapitating him; returns to Jerusalem and is faced with the gates closed. Urged by an angel, imitates Christ’s humble entrance into Jerusalem, and the doors open. The cross is finally returned to the Holy Sepulcher.

Verifica della Vera Croce, AsT, 70X70cm


   PIERO DELLA FRANCESCA 2º giov. d'and.:
http://www.artmajeur.com/?go=artworks/display_mini_gallery&login=giovdand&mini_gallery_id=1046197&artist_id=39105


MAAS - Museu Arquidiocesano de Arte Sacra
Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro
Av. República do Chile, nº 245 – Centro
Rio de Janeiro, RJ, Brasil

quarta-feira, 23 de março de 2011


O Homem e  Mulher (Victor Hugo)

 
Battista Sforza 15x11cm Federico da Montefeltro 15x11cm
O homem é a mais elevada das criaturas.
A mulher é o mais sublime dos ideais.
Deus fez para o homem um trono,
Para a mulher um altar.
O trono exalta,
O altar santifica.
O homem é o cérebro,
A mulher o coração.
O cérebro produz luz,
O coração o amor.
A luz fecunda,
O amor ressuscita.
O homem é o gênio,
A mulher o anjo.
O gênio é imensurável,
O anjo indefinível.
A aspiração do homem é a suprema glória.
A aspiração da mulher é a virtude extrema.
A glória traduz grandeza.
A virtude traduz divindade.
O homem tem supremacia,
A mulher a preferência.
A supremacia representa a força,
A preferência o direito.
O homem é forte pela razão.
A mulher é invencível pela lágrima.
A razão convence,
A lágrima comove.
O homem é capaz de todos os heroísmos,
A mulher de todos os martírios.
O heroísmo enobrece,
O martírio sublima.
O homem é o código,
A mulher o evangelho.
O código corrige,
O evangelho aperfeiçoa.
O homem é um templo,
A mulher um sacrário.
Ante o templo nos descobrimos,
Ante o sacrário, ajoelhamo-nos.
O homem pensa,
A mulher sonha.
Pensar é ter cérebro.
Sonhar é ter na fronte uma auréola.
O homem é um oceano,
A mulher um lago.
O oceano tem a pérola que o embeleza,
O lago tem a poesia que o deslumbra.
O homem é a águia que voa,
A mulher o rouxinol que canta.
Voar é dominar o espaço.
Cantar é conquistar a alma.
O homem tem um farol: a consciência.
A mulher tem uma estrela: a esperança.
O farol guia,
A esperança salva.
Enfim, o homem está colocado onde termina a Terra,
A mulher onde começa o céu.
Interferenze in Piero XVIII
Texto: Victor Hugo. Pinturas: Giov. D’And.

FRASES RELACIONADAS:

408 – MOLDURA E PÔSTER: De uma vez achei 9 pôsteres, sendo que eu já tinha 9 colagens, releituras de Piero della Francesca (uma está com Papa Francisco).  Noutra vez, fui devagar com o carro, porque achava que ia encontrar, achei 2 boas molduras. Doutra vez, achei 35, fiquei com as molduras, sendo que os pôsteres pintei mediunicamente e doei ao centro espírita. Muitas e muitas vezes ganhei e outras muitas e muitas vezes alguém me pediu valores irrisórios. Graças a Deus posso comprar, mas nem sempre preciso, eles vêm a mim. Sem querer comparar, isto me lembra o "fabuloso" caso dos chuchus de Chico Xavier.

111 - JACKSON POLLOCK: Caro amigo, embora o que eu tenha feito não se possa chamar de "action painting", por eu ter usado de gestos metodicamente preparados. Gostei dessa paradinha sua de pintar o quadro inteiro sem esbarrar na tela, só jogando tinta. Olha ae...

La Resurrezione di Cristo, releitura de Piero della Francesca, por Giov.

104 - PIERO DELLA FRANCESCA: Como homem, permitiu-se desanimar ao final da vida e com um potencial infinitamente maior, passou, "apenas", a escrever livros de matemática e perspectiva. Como Deus, entre outras coisas, pintou os afrescos da igreja de San Francesco, em Arezzo. Não foi escultor, embora tivesse sido Policleto (que também foi escritor) e outros na Grécia antiga.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

O monólogo do artista passa a estabelecer diálogo com o público quando sua arte é comentada...