sexta-feira, 29 de agosto de 2014

A Expressão de Robert Schumann (parte 4/4)



Trechos de Eusebius and Florestan: The Duality of Robert Schumann, Composer and Music Critic, Marie C. Miller, Emporia State University
 
[...] assumindo o controle exclusivo da revista [...] Schumann contribuiu com mais de três centenas de artigos, comentários  e críticas [...]
 
À sua maneira muito modesto e discreto, ele era tremendamente corajoso.
 
Eusébio foi o lírico, silencioso, introspectivo e contemplativo dos dois. Ele é considerado a personificação do lirismo e parece ser a força controladora da personalidade mais extravagante, o impetuoso Florestan [...], o verdadeiro romântico do casal [...] (Schumann tinha) um estado de espírito que rapidamente mudava de personalidades.
 
Trechos de Robert Schumann - sua vida e obras famosas.
 
Robert tinha um alter ego, ou melhor, dois deles, Florestán e Eusebius - a primeira de um herói de uma das obras de Beethoven e o segundo um sacerdote católico com uma mente instável.

A maioria dos estudiosos acreditam que o problema, de um dos dedos da mão direita,  foi causado por uma máquina de fortalecimento do dedo que ele usou para se tornar um (propositadamente) melhor pianista. Provavelmente a sua intensiva oito horas de prática diária ao piano também contribuiu para o prejuízo.

Robert Schumann foi um dos principais compositores que trabalharam intensamente na conexão entre a música e as palavras. O romantismo foi mostrando tudo sobre sentimentos, paixões, estranheza e expressividade.

[...] nunca Schumann realmente se importava com a escola rigorosa de educação e muitas vezes se encontrou sonhando acordado nas aulas. Sua composição foi associada com o consumo de álcool, café e fumo [...]


Robert começou a tocar piano aos 7 anos de idade, e escreveu suas primeiras composições, danças de piano curtas, dentro de um ano. Ele rapidamente se tornou um pianista que gostava de improvisar [...]

Então, como poderia Schumann viver estas duas vidas de perturbação psíquica e ainda escrever a música bem e ser um homem em geral bom? Quem sabe os seus truques [...]

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Psicografia sobre Psicopictoriografia

Mensagem psicografada por um médium (que disse para eu escrever anônimo, mas eu conheço ele muito bem e assino embaixo da capacidade mediúnica dele; é meu amigo, mas não estou o elogioando por isto, juro de pés juntos...), fornecida pelos pintores desencarnados (segundo este médium, vários se manifestaram por seu intermédio nesta psicografia), na preparação da apresentação de pintura mediúnica (psicopictografia) que foi realizada no dia 20, em prol do Hospital Psiquiátrico Pedro de Alcântara, mantido pela Associação Espírita Obreiros do Bem, em reunião mediúnica, no dia 18.07.2014.
 


Caríssimo Giovanni,

Estamos já nos preparando para o encontro de domingo, onde estaremos juntos, proporcionando a oportunidade de nos auxiliar, pois estaremos em equipe, colaborando na grande missão que é levar a arte do Mundo Espiritual para ser apresentada aos encarnados.

A música, a pintura, a literatura e o teatro fazem parte deste contexto que nós espíritos levamos até vocês com o objetivo de despertar sentimentos, emoções e curiosidades que serão direcionados para o entendimento, cura e principalmente uma grande interação de amor entre nós.

A Arte é utilizar o Belo para o Bem.

Vários de nós, pintores desencarnados, temos vários alunos dos quais procuramos ensinar nossas técnicas, a harmonização das cores, a importância da cor nos processos de cura e como projetamos nas telas aquilo que pensamos e idealizamos aqui no nosso Plano de Vida.

Caríssimo amigo, você é o nosso instrumento para a realização destas propostas. Utilizamos do seu corpo material para expressarmos nossos sentimentos, anseios e projetar tudo aquilo que gostaríamos de expressar através da pintura, caso estivéssemos encarnados.

Nossos alunos participando destes momentos, expressam também seus sentimentos, aprendendo a utilizar as cores e a manipular fluidos, controlar seus impulsos e fazer uso de suas capacidades.

Somos gratos por podermos nos expressar assim e gratos a esta Casa Espírita que confia em nós e em você, abrindo oportunidades para o nosso trabalho.

Espíritos ainda endividados, mergulhados em antigos vícios que tivemos em vidas, onde não seguimos as diretrizes traçadas pelo Cristo; procuramos nos redimir através da arte, levando a algumas pessoas a oportunidade de presenciarem fenômenos mediúnicos, oportunidades para refexão e comparando nossas pinturas anteriores às de agora e confrontando nossas assinaturas, que tenham a certeza de que a vida continua plena, viva e repleta de luzes e cores.

Nossos corpos perispirituais agindo sobre você, querido médium, fazem surgir nas telas: paisagens, rostos e objetos, levando a todos a alegria, a surpresa, a curiosidade, o êxtase e a contemplação daquilo que foi reproduzido através do médium e que é a concretização de nossos projetos.

Cada espírito trabalha desencarnado com aquilo que pode, conhece e tem aptidão, isto em determinado grau de evolução. Nós, endividados com a Consciência Universal procuramos diminuir nossas dívidas, levando cores, emoções, sentimentos e felicidades aos nossos alunos que nos acompanham e aos assistentes das casas que nos recebem e acolhem. Já estamos fazendo a escala dos pintores que irão participar deste evento e das telas que serão pintadas para que sejam vistas, apreciadas por vocês. Se teremos surpresas? Não sei. Talvez sim, talvez não?

Com muita emoção e expectativa dos amigos pintores desencarnados que já estão se agrupando desde já aqui nesta casa.

Abraços para todos e especialmente para você, caríssimo Giovanni.

Rio de Janeiro, 18/07/2014.
 
Jorge Guinle (1947-1987) 


NOTAS, do giov.: - Quando me disseram que havia uma psicografia para mim, até falei em público: Deve ser chamada de atenção, eu faço tudo errado. Não entendi porque eles riram de mim...
- Sobre a surpresa que talvez viesse, os amigos espirituais sabem que eu detesto quando vem um pintor espiritual se apresentar em público, que nunca pintou através de mim, em particular. Volpi e Guinle estiveram em minha casa durante a semana, mas nada pintaram. Era para eu não ter gostado da surpresa, mas gostei das pinturas, retiro o que eu disse, muito obrigado a ambos pela presença.
- Neste dia foram tiradas e retiradas da máquina fotográfica 237 fotos, das quais inseri 100 e poucas em meu faceBOOK.
- A reportagem sobre o evento (e alguns detalhes da mediunidade) já se encontra nas bancas, no exemplar de agosto/2014, do jornal CORREIO ESPÍRITA.